Da Folha de São Paulo de hoje (29/02/2012):

Empresa paulista é flagrada reutilizando item hospitalar

Sterimed Serviços de Esterilização, no interior, tinha seringas e cateteres usados

Estado fará força-tarefa para vistoriar 300 hospitais e unidades de saúde que tinham contrato com a empresa

GABRIELA YAMADA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, DE RIBEIRÃO PRETO

Uma empresa que presta serviço para cerca de 300 instituições de saúde de São Paulo foi flagrada ao reutilizar material hospitalar, como seringas e cateteres.

Após uma blitz, na semana passada, a Secretaria de Estado da Saúde multou e suspendeu as atividades da Sterimed Serviços de Esterilização, com sede na cidade de Cedral (424 km de SP).

A secretaria agora fará uma força-tarefa para vistoriar as cerca de 300 unidades de saúde que mantinham contrato com a Sterimed.

As unidades de saúde, entre elas hospitais, são do interior. A secretaria deu um prazo de 48 horas para que a empresa forneça os 300 nomes.

Para Isac Jorge Filho, do Cremesp (Conselho Regional de Medicina de SP) de Ribeirão Preto (313 km de SP), o ato é criminoso e expõe pacientes a riscos de doenças graves, como a Aids. “Essa é a institucionalização do desrespeito à população.”

O reprocessamento indevido foi constatado após operação de fiscais da secretaria, com apoio da Polícia Civil.

No local, constatou-se o reprocessamento e esterilização de materiais que só podem ser usados uma vez.

Entre eles, foram encontrados cinco seringas injetoras, 67 conectores de injeção e dois cateteres vasculares.

Segundo a diretora do Centro de Vigilância Sanitária, Maria Cristina Megid, o reprocessamento era feito à noite. “Encontramos materiais que já estavam embalados e prontos para serem encaminhados aos hospitais”, disse.

Entre os materiais havia também um alicate para cirurgias ortopédicas com sujeira e produtos com prazo de validade vencido em 2007.

Uma tabela de preços entregue à Secretaria da Saúde aponta que a esterilização de seringas, por exemplo, custava R$ 5,75 a unidade.

A operação foi feita nos últimos dias 15 e 16, à noite, após denúncia anônima.

VISTORIA

Os hospitais e unidades de saúde que mantinham contrato com a empresa serão vistoriados e poderão ser autuados caso sejam encontrados materiais de uso único que foram reprocessados.

A Santa Casa de São Carlos (232 km de SP), o Hospital de Base de São José do Rio Preto (438 km de SP) e o Hospital São Lucas, de Ribeirão Preto, são algumas das instituições que mantiveram contrato com a Sterimed.

Be Sociable, Share!

Tags: , , , , , ,

Veja Também:
Fatal error: Call to undefined function related_posts() in /home/httpd/vhosts/abih.net.br/httpdocs/wp-content/themes/gm/single.php on line 52